Agricultura deve sofrer com doenças no segundo semestre

A temperatura elevada também proporciona condições para o desenvolvimento de fungos

A empresa indiana UPL indicou que a agricultura estará suscetível a um maior número de doenças no segundo semestre desse ano. O fato se deve ao grande período chuvoso que se desenha para os próximos meses, onde não haverá estiagem para neutralizar os esporos.

A complicação poderá ocorrer com a intensividade pluviométrica e e temperaturas elevadas, oferecendo condições favoráveis à proliferação dos fungos.

Além disso, a empresa divulgou as estimativas de produção das diversas culturas agrícolas brasileiras. A safrinha de milho, por exemplo, tem índices de produtividade bem abaixo do que o ano passado, devido à forte estiagem que acometeu a produção durante os meses de abril e maio.

Em relação as culturas de inverno, a projeção é de que os agricultores consigam colher uma boa safra em 2018, já que até o momento o clima se mostrou bastante propício para que isso aconteça. No entanto, a área plantada esse ano está menor devido as perdas que os produtores tiveram nas últimas safras desses produtos.

O arroz teve perdas significativas nessa última colheita devido ao grande volume de precipitação que acabou por ocasionar um atraso no plantio, o que resultou em problemas na produtividade do grão.  Já para o algodão, a expectativa é de que esse ano ocorra um novo recorde de produção porque o clima foi favorável para o desenvolvimento da planta.

Fonte: Agrolink/Por Leonardo Gottems

Crédito Imagem: SUCA