Alta do PIB não significa aumento de renda para o produtor rural

Puxada pela grande safra brasileira, o Produto Interno Bruto (PIB) da agropecuária cresceu 13,4% no primeiro trimestre deste ano, em relação ao último período de 2016 – o melhor índice do setor em 20 anos. Mas, para o produtor rural, o resultado pode não ser tão bom quanto o divulgado na quinta-feira, dia 1º, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O assunto foi discutido durante o seminário Perspectivas para o Agribusiness, em São Paulo.

O pesquisador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq) Lucilio Alves explica que volumes expressivos de grãos – como soja, milho e arroz – estão concentrados no primeiro trimestre do ano, o que puxou os números. “Nós estamos falando de uma produção que também beneficia a indústria e que movimenta a área de serviços. Mas, de maneira nenhuma, isto se refere à renda ou à margem de lucro do produtor agrícola”, diz.

O mercado vive um momento de preço e demanda em queda. E a expectativa para o desempenho do setor em 2017 é positiva, mas sem muita euforia. Para especialistas, a cotação do dólar é o que pode interferir nos preços das commodities agrícolas neste ano. A soma de fatores internos e externos leva a uma tendência de alta para a moeda norte-americana.

Fonte: Canal Rural