Arroz: preço está abaixo do custo de produção

Depois de plantar uma das safras mais caras da história da cultura, produtores estão recebendo menos.
Em praticamente todas as regiões produtoras do Rio Grande do Sul, o valor pago pelo arroz está abaixo do custo de produção. O setor também reclama de remuneração menor em uma das variedades plantadas.
O produtor já sabe que em época de entrada de safra, o preço costuma ficar menor. Em abril, o preço da saca de arroz caiu 11% comparado ao mês anterior. De acordo com o presidente da câmara setorial do arroz e produtor, Daire Coutinho, na média, o preço pago é R$ 39, mas o ideal seria que custasse, pelo menos, R$ 45 a saca, para cobrir os custos e ser rentável a quem produz.
A saca atualmente custa R$ 40  ao produtor.  Mas segundo o analista de mercado Élcio Bento, o comportamento do preço está dentro da normalidade para a época do ano.
“Neste momento estamos com excesso de produção em relação ao que é consumido, e isso faz com que os preços venham pra baixo. É normal que isso aconteça nesse período. Agora a queda em relação ao ano passado ela deve-se a um aumento da produção e também a questão cambial”, explica.
Além disso, a maioria dos produtores precisa lidar com outro problema que diminui ainda mais a remuneração. A indústria está pagando até dois reais a menos por saca na variedade 424 RI, que é uma das mais plantadas no estado.
Coutinho explica que isso deve a qualidade visual do grão empacotado, e que na última safra, apesar de também estar com qualidade abaixo, a indústria não desprezava esse grão por conta da baixa oferta. Este ano, com um cenário bem diferente, ela está mais seletiva.
Apesar desses fatores, produtores de algumas regiões estão conseguindo valores melhores. É o caso de Alegrete, na fronteira oeste do estado. A presidente da Asssociação dos Arrozeiros de Alegrete, Fátima Marchezan, acredita que a vantagem dos produtores locais é possuírem seu próprio engenho, tendo condições de decidir o momento de colocar o produto no mercado. “Os preços lá dependendo da variedade, dependendo do rendimento, eles estão oscilando entre 38 e 39 reais, chegando a patamares entre 42 e 43 reais”.
Para Élcio Bento, a retomada dos patamares anteriores é uma questão de tempo. E acredita que no período de entressafra o preço deve chegar aos R$ 45 esperados pelos produtores.
Fonte: Canal Rural