Coerência e correspondência

Categoria Geral - 9 de Março de 2015

É consenso que uma das grandes oportunidades para o desenvolvimento econômico e social do Brasil e de Goiás está no aumento da demanda mundial por alimentos e bioenergia. Preconiza-se que em 2050 teremos uma população global com 2 bilhões de pessoas a mais, totalizando 9,3 bilhões, com características marcantes e transformadoras que já estão em curso. Entre os fatores: a consolidação da urbanização liderada pela migração de pessoas do campo para as cidades principalmente na China e na Índia; o aumento de renda das pessoas, portanto maior capacidade de consumo; o aumento da longevidade e mudanças de hábitos alimentares com forte consumo de proteína animal, consequentemente, maior produção de cereais, leguminosas e oleaginosas. Por fim temos ainda o consumo energético fundamentado em matrizes renováveis, como o etanol, biomassa e biodiesel.

Teremos que produzir pelo menos 50% a mais de alimentos que produzimos hoje. E o desafio está na disponibilidade de área cultivável e na inovação tecnológica. Diante desta realidade espera-se do Brasil uma resposta importante, pois apresenta vantagens comparativas e competitivas. Que possamos abastecer pelo menos 40% da demanda adicional. A grande questão é: como devemos nos preparar para aproveitar estas oportunidades?

A boa notícia é que Goiás já está no jogo. A sociedade goiana, com sua fibra e determinação, se prepara todos os dias e trabalha muito por melhor renda familiar e empregos de qualidade. A base institucional do agronegócio, pública e privada, compartilha uma visão estratégica e de futuro que está pautada na correspondência com estes anseios, desafios e as oportunidades do povo goiano. E alinha-se com esta aspiração por meio de compromissos e pela coerência de seus projetos e ações internas. Trata-se de “fazer bem feito” exatamente o que “precisa ser feito”. Importa o projeto, a visão de futuro. Mas a partir de ações imediatas. As estruturas organizacionais de apoio naturalmente se adequam com o objetivo de atendê-la.

O agronegócio goiano, sensível às demandas sociais, e à reconhecida identidade e competência goiana em lidar com a terra, lavouras e criações, vem trabalhando na estruturação de suas cadeias produtivas agroalimentares e agroenergéticas em quatro grandes frentes, que certamente nos colocarão na vanguarda absoluta do agronegócio nacional e mundial. É preciso ousar! Perseguir os sonhos, empreender e realizar. Os desafios surgem como inspiração para a superação. E metas são motivações quantitativas que nos ajudam a vislumbrar onde queremos chegar e quais os aspectos que precisamos aperfeiçoar.

A ideia força é que Goiás seja reconhecido como o estado brasileiro que apresenta: a) as melhores produtividades na agricultura e pecuária inovando em tecnologia e gestão nas propriedades rurais gerando consequentemente mais renda e empregos no campo e nas cidades; b) o estado produtor do alimento seguro, atendendo assim os mercados mais exigentes em segurança alimentar, e que remuneram pelas melhores práticas sanitárias, tanto nas propriedades rurais, quanto na agroindústria; c) o estado onde se produz a melhor bioenergia renovável, admirado pela qualidade e cuidado na produção de etanol, biomassa e biodiesel e, d) o estado do agronegócio ambientalmente sustentável, reconhecido pelo respeito ao meio ambiente e à nossa biodiversidade de flora e fauna.

Como chegar lá? Já estamos a caminho. Trata-se da somatória de esforços públicos e privados. A parceria preconiza quatro aspectos fundamentais. O fortalecimento da pesquisa agropecuária, da ciência e da tecnologia, com inovações permanentes. A consolidação da rede de assessoramento técnico qualificado e presente nas propriedades rurais e, capacitação profissional continuada. Educação sanitária, animal e vegetal capaz de orientar toda a base produtiva rural, assim como, os segmentos de insumos, agroindústria, atacado e varejo. E a área ambiental atuando estrategicamente como norteadora da gestão sustentável em todos os segmentos das cadeias produtivas.

O objetivo é contribuir com todos os goianos. Um desenvolvimento somente será sustentável se acolher a todos. Eliminar definitivamente a pobreza e desfrutar da prosperidade conquistada. Um caminho indispensável é, sem dúvida dotar os empreendedores, sejam eles urbanos e rurais com micro e pequenas empresas, empreendimentos familiares, médios e grandes, das melhores condições possíveis para que possam manifestar em sua plenitude, todo o seu potencial. Os competidores estão lá fora. Aqui daremos o exemplo pela cooperação e empreendedorismo. Desta forma seremos cada vez mais competitivos. Há espaço e oportunidade para todos.

Certamente são metas ousadas. Mas os setores empresariais, a sociedade e o governo de Goiás sabem que é preciso sonhar, querer, planejar e realizar, para conquistar. Estas são as escolhas das sociedades que sabem onde querem chegar e, por isso tomam as rédeas de seus destinos.
Um dos atributos mais admirados na arte de governar é a capacidade e sensibilidade dos líderes em alinhar seus planos com as demandas e oportunidades que surgem e, principalmente, com os sentimentos, interesses elevados, desejos e necessidades de sua base, de sua população.

Temos as esperanças renovadas. Uma sociedade forte e arrojada. Um setor produtivo ávido por empreender. Por produzir mais e melhor. E um novo governo, que sob a liderança do Governador Marconi se propõe em modernizar a máquina pública para que possamos criar uma dinâmica virtuosa de desenvolvimento cada vez mais forte e capaz de abrigar todos os projetos de vida, de cada goiano. Em cada canto deste estado. Um Goiás que não se cansa em surpreender o Brasil e o mundo com seus indicadores de desenvolvimento. Grandes projetos, grandes resultados. Fazer bem feito o que precisa ser feito. Coerência e correspondência. Estes são os princípios.

Por: José Mário Schreiner é presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), presidente do Conselho Administrativo do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Goiás) e vice-presidente diretor da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA)

Outros Artigos