SEGURO RURAL

Categoria Geral - 17 de Fevereiro de 2015

Desde a gestão do então ministro da agricultura Roberto Rodrigues, foi elencado um novo modelo de seguro agrícola, diferentemente do Programa de Garantia Agropecuária PROAGRO. O modelo proposto na época pretendia alavancar os instrumentos de mitigação de risco haja visto o auto risco que vem vinculado ao negócio agrícola (estiagem, granizo, geadas…), além dos problema inerentes a flutuação do mercado (dependência do câmbio e comercialização). Desde então, o Sindicato Rural e a Federação de Agricultura tem procurado trabalhar para a melhora deste importante instrumento de política agrícola.
Do modelo proposto na época aos dias atuais, alguns ítens evoluíram, tais como: cobertura e índices de produtividade média, utilizados para o cálculo do prêmio (preço do seguro) e indenizações.
Em reunião realizada entre a FAEG, sindicatos rurais, Banco do Brasil e Souza Mafre, foi apresentado um novo modelo de seguro agrícola, que passa a vigorar a contratação para a safra 2014/2015. O modelo prevê dois tipos de cobertura, a correlacionada ao custeio agropecuário contratado e a possível contratação de um seguro vinculado à renda prevista no empreendimento agropecuário. No primeiro modelo (custeio) prevê-se a cobertura de 80% da produtividade média elencada pelo IBGE cujo prêmio já é predeterminado pelo plano agrícola e pecuário 2014/2015, já na segunda modalidade, ou seja, o seguro de renda, o produtor deve estar atento ao custo de contratação e benefícios segurados.
Para ambos, deve-se alertar a necessidade do plantio das culturas seguradas, dentro do calendário agrícola vigente, além da solicitação junto ao agente financeiro das cláusulas e condições contratadas, ou seja, solicitar a apólice do seguro e não só a proposta do mesmo. Na maioria dos casos o produtor desconhece as condições pactuadas e apenas toma conhecimento do que foi contratado quando há necessidade de acionamento do seguro rural (existência do sinistro).
É consenso pelos técnicos da área que muito já se evoluiu no seguro rural no Brasil, porém, muito ainda tem que se trabalhar para uma real garantia em nosso negócio.
O Sindicato Rural de Rio Verde, através da comissão de crédito rural, não tem medido esforços para auxiliar os produtores rurais quanto ao assunto e se coloca a disposição para esclarecer eventuais dúvidas.

Por Alexandre Câmara Bernardes (Assessor Técnico do SRRV)

Outros Artigos