Basf e Sumitomo finalizam novo fungicida 

O Pavecto deve chegar ao mercado europeu até 2022

A Basf e a Sumitomo Chemical anunciaram que foi apresentado para a União Europeia um pedido para o registro de um novo composto para fungicida, conhecido como ISO de metiltetraprole. A substância faz parte do grupo de fungicidas conhecidos como Inibidores de Quinona oxidase(QoI) e representa uma nova química dentro deste pois apresenta uma estrutura química tetrazolinona.

O fungicida foi descoberto pela Sumitomo Chemical e será registrado com a nomeação de Pavecto. Kimitoshi Umeda, Diretor Adjunto responsável pela Divisão Internacional de AgroSolutions da Sumitomo Chemical, explica que o produto se diferencia dos fungicidas QoI existentes porque tem capacidade de controlar os patógenos que desenvolveram resistencia ao fungicidas a base de  estrobilurina que estão presentes no mercado.

“Este novo fungicida, Pavecto, será uma solução eficaz para controlar as principais doenças e ajudar os produtores a melhorar sua produtividade e lucratividade. Iremos solicitar o registro do Pavecto em mais países, e estamos ansiosos para disponibilizar os produtos formulados Pavecto para mais produtores em todo o mundo”, comenta.

De acordo com Livio Tedeschi, vice-presidente sênior da divisão de Proteção de Cultivos da BASF na Europa, por meio da colaboração entre as duas empresas foi descoberto que o Pavecto é muito eficaz para o controle de diversas doenças como a septoriose do trigo, por exemplo. Ele afirma que o objetivo é fornecer aos produtores rurais uma alternativa inovadora que garanta a proteção e produtividade das lavouras.

“A agricultura é um mercado dinâmico, com necessidades e desafios em constante mudança. O Pavecto complementará nosso portfólio de fungicidas, cumprindo nossa promessa de apoiar a agricultura com novas soluções e tecnologias”, pontua.

A expectativa da Basf e da Sumitomo Chemical é de incorporar o novo fungicida no mercado europeu até 2022. Segundo Paulo Queiroz, gerente de Marketing Estratégico da BASF América Latina, apesar da apresentação do dossiê de registro estar planejada globalmente, o produto só deve ser comercializado no Brasil anos mais tarde.

“O fungicida Pavecto também será um excelente aliado para os produtores de cereais de inverno tanto no Brasil como na Argentina. A previsão é que a solução esteja disponível no mercado brasileiro entre 8 a 10 anos”, conclui.

Fonte: Agrolink/Por Leonardo Gottems

Crédito Imagem: Domínio Público/Pixabay