Brasil se consolida como destino seguro para investidores do agro, avaliam especialistas

Em um cenário de crescente instabilidade geopolítica, com tensões entre China e Estados Unidos, além de conflitos entre Rússia e Ocidente, investidores internacionais estão buscando destinos de baixo risco. Nesse contexto, a América Latina, especialmente o Brasil, se destaca como uma região segura e atraente. É o que destacou o pesquisador de relações internacionais, Oliver Stuenkel, para os dois mil participantes da 11ª edição do Confinar, evento que encerrou nesta quarta-feira (15), em Campo Grande – MS.

“A estabilidade política e as relações comerciais robustas, que o Brasil mantém com todos os grandes atores econômicos globais, são pontos importantes para essa atração. O país mantém ótimos laços com China, Estados Unidos, Arábia Saudita, Irã e União Europeia, mesmo quando muitos desses países não têm boas relações entre si. Essa neutralidade diplomática e a capacidade de manter bons negócios, com diversos parceiros, explicam o crescente interesse de investidores estrangeiros no Brasil”, pontuou Stuenkel.

Segundo o pesquisador, o agronegócio brasileiro é um dos setores que mais atraem investimentos, graças ao reconhecimento de sua sofisticação técnica e capacidade de inovação. “Em meio a um mundo instável, o Brasil se consolida como um porto seguro, combinando equilíbrio, capacidade produtiva e inovação tecnológica. Com cerca de 10% da população mundial ainda passando fome, a segurança alimentar se tornou uma prioridade global. Com as mudanças climáticas e a dependência crescente de países como a China na importação de alimentos, o Brasil está bem-posicionado para atender essa demanda. A ampliação de redes de distribuição e o desenvolvimento de planos de contingência para importação de alimentos são estratégias essenciais”, explicou.

Além do agronegócio, os setores de tecnologia e inovação também ganham destaque. “Investimentos em energia renovável e tecnologia da informação estão crescendo, refletindo a capacidade do Brasil de atrair capital para áreas além da agricultura. O setor imobiliário também é atraente, especialmente em regiões que podem se beneficiar da estabilidade econômica e política do país”.

Oportunidade, foi o destaque do engenheiro agrônomo, Alexandre Mendonça, que apresentou uma análise dos mercados interno e externo. “Estamos presenciando um momento que pode ser a virada de chave para a pecuária brasileira. A redução significativa da produção de carne nos Estados Unidos, a maior em décadas, está criando uma oportunidade única para o Brasil expandir seus mercados. Com essa abertura, o Brasil tem uma excelente chance de aumentar sua importância no mercado mundial de carne bovina nos próximos anos. É essencial que os investidores americanos ajam com bom senso, reconhecendo que o mercado é cíclico, com períodos de alta e baixa. Manter-se conectado ao mercado, proteger preços e investir com prudência são estratégias fundamentais para aproveitar as oportunidades de longo prazo que beneficiarão o Brasil”, finalizou Mendonça, ao destacar as perspectivas para a pecuária de corte.

O Confinar, um dos principais eventos da bovinocultura de corte do Brasil, em sua 11ª edição, reuniu cerca de 2 mil pessoas, entre expositores, produtores rurais e técnicos ligados à pecuária, de vários estados brasileiros. Além da parte técnica, os participantes tiveram acesso a 65 estandes, de 70 patrocinadores, onde puderem conhecer as inovações do mercado, fazer negócios e networking. Segundo a equipe organizadora, a 12° edição do evento, foi confirmada para 2025.

Fonte: Evento Confinar