Café: Bolsa de Nova York registra valorização de mais de 100 pts nesta 4ª feira e consolida US$ 1,35/lb

Nesta quarta-feira (3), as cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) fecharam em alta pela quarta sessão consecutiva. O mercado avança em ajustes técnicos após despencar nos últimos dias. Além disso, os operadores seguem atentos ao clima no Brasil, que já registra colheita em algumas áreas.

O contrato maio/17 fechou a sessão de hoje cotado a 135,00 cents/lb com alta de 100 pontos, o julho/17, referência de mercado, registrou 137,45 cents/lb com avanço de 120 pontos. Já o vencimento setembro/17 encerrou o dia com 139,70 cents/lb e valorização de 115 pontos e o dezembro/17, mais distante, também subiu 115 pontos, fechando a 143,20 cents/lb. Essa é a quarta alta seguida no mercado.

Mercado do café NY - 03/05/2017

Gráfico do mercado do café na Bolsa de Nova York nesta 4ª feira – Fonte: Investing

“Após atingir as mínimas dos últimos meses na semana passada, as cotações vem aos poucos tentando recuperar o espaço perdido, a alta dos últimos quatro pregões é de 795 pontos ou 6,14%. A verdade é que as quedas da última semana foram muito expressivas e estas altas vem apenas ajustar os preços com a realidade do mercado”, disse em relatório o analista de mercado da Origem Corretora, Anilton Machado.

Nas últimas sessões, quando estava  em baixa, o mercado do arábica chegou a quase perder o patamar de US$ 1,30 por libra-peso. Na semana encerrada em 25 de abril, os fundos de investimento liquidaram volume expressivo de posições compradas.

Além das questões técnicas, os operadores no terminal externo também estão bastante atentos ao clima no Brasil, maior produtor e exportador da commodity. Entre os dias 4 e 8 de abril, não há expectativa de muita chuva para as áreas de café de Minas Gerais. As temperaturas não devem sofrer muitas alterações. As informações são da Climatempo.

A colheita do café arábica da safra 2017/18 já começou em algumas áreas produtoras do Brasil, ainda que não expressivamente. Os trabalhos devem ganhar mais ritmo nos próximos meses. Já há relatos de colheitas sendo realizadas no Sul de Minas Gerais, maior região produtora do grão no país, e Cerrado Mineiro. No cinturão produtivo de café conilon (robusta), a colheita também já começou.

Mercado interno

Os preços internos do café esboçaram poucas mudanças nesta quarta. Os negócios seguiram no ritmo dos últimos dias com um distanciamento no valor pedido pelos produtores e compradores. Além disso, a colheita no país contribui com o distanciamento dos produtores do mercado.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação nas cidades de Espírito Santo do Pinhal (SP) e Guaxupé (MG), ambas com saca cotada a R$ 500,00 e estáveis. A maior oscilação no dia ocorreu em Varginha (MG) com queda de 2,04% e R$ 480,00 a saca.

O tipo 4/5 anotou maior valor de negociação em Varginha (MG) com 475,00 a saca e alta de 1,06%. Essa foi a maior oscilação no dia dentre as praças.

O tipo 6 duro anotou maior valor de negociação em Patrocínio (MG) com saca a R$ 470,00 e alta de 1,08%. A maior variação dentre as praças no dia ocorreu em Guaxupé (MG) com avanço de 2,65% e saca a R$ 465,00.

Na terça-feira (2), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 457,39    e queda de 0,06%.

Fonte: Notícias Agrícolas