Embrapa e associações de municípios estabelecem parcerias para desenvolvimento da agropecuária

A Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) firmou convênios de cooperação técnica com associações de municípios do Norte e do Nordeste de Minas Gerais. O objetivo é realizar ações conjuntas visando a adoção de Boas Práticas Agrícolas e o desenvolvimento sustentável da agropecuária nessas regiões.

Foram firmadas parcerias com a Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Jequitinhonha (Ameje), com a Nova Associação dos Municípios da Microrregião do Baixo Jequitinhonha (Nova Ambaj) e com o Consórcio Público Intermunicipal Multifinalitário do Alto Rio Pardo (Comar).

“Representantes regionais buscaram o apoio da Embrapa com a proposição de parceria para promover o desenvolvimento de cadeias produtivas agropecuárias”, relata Fredson Chaves, coordenador de Transferência de Tecnologias da Embrapa Milho e Sorgo. A partir daí, foram elaborados planos de trabalho.

“As ações deverão ser viabilizadas através da cooperação entre a Embrapa, a Emater-MG, as associações de municípios e demais parceiros regionais, de acordo com as demandas apontadas pelos membros do projeto e por representantes dos agricultores”, afirma Fredson.

Conforme explica o agrônomo da Embrapa Marco Aurélio Noce, diversos estudos têm demonstrado que os princípios das Boas Práticas Agrícolas (BPAs) e dos sistemas integrados de produção apontam para oportunidades de otimização de insumos, com redução de custos, sem perdas de produtividade, resultando em maior rentabilidade e qualidade de vida.

“Nesse sentido, é papel das empresas de pesquisa e de extensão rural apoiar os agricultores oferecendo ferramentas e serviços que possibilitem uma exploração agrícola econômica, social e ambientalmente sustentável”, afirma Marco Aurélio.

Para o desenvolvimento dos trabalhos nas regiões, serão implantadas Unidades de Referência Técnica (URTs) em cada microrregião, com foco em sistemas integrados de produção agropecuária, de acordo com as demandas levantadas.

“As URTs terão o propósito de validar, nos locais, as recomendações de BPA propostas e apoiar atividades de transferência de tecnologias, tais como dias de campo, cursos e visitas técnicas. Essas unidades visam a construção coletiva de conhecimentos, com diálogo horizontal entre ensino, pesquisa, extensão e o agricultor”, afirma Fredson.

Levantamentos prévios das demandas e necessidades dos produtores rurais das regiões permitiram identificar alguns temas que podem ser trabalhados, buscando a melhoria dos processos produtivos. Entre eles, estão: manejo e conservação do solo; captação de águas superficiais de chuvas; alimentação animal no período de seca; mandiocultura; manejo da irrigação; gestão das propriedades leiteiras e de bovinocultura de corte.

Durante a Semana de Integração Tecnológica (SIT) realizada em Sete Lagoas em maio, foram formalizados os convênios entre a Embrapa e as três associações de municípios, para que os trabalhos possam ter início. Na ocasião, assinaram os termos de cooperação o chefe-geral da Embrapa Milho e Sorgo Antônio, Álvaro Corsetti Purcino, o presidente da Nova Ambaj e prefeito de Bandeira, Antônio Rodrigues dos Santos, o vice-presidente da Ameje e prefeito de Araçuaí, Armando Jardim Paixão, o vice-presidente do Comar e prefeito de Rio Pardo de Minas, Marcus Vinícius de Almeida Ramos. As atividades nas regiões tiveram início neste mês de julho.

Fonte: Milho e Sorgo Por Mariana Torres

Foto: Guilherme Viana