Frango: oferta interna maior que a de um ano atrás?

Feita uma retrospectiva no decorrer do tempo acerca do comportamento da avicultura de corte,

Feita uma retrospectiva no decorrer do tempo acerca do comportamento da avicultura de corte, certamente não se encontrará momento como o observado no primeiro semestre de 2018, período em que o setor se empenhou em adequar a produção às crescentes e desafiantes situações de mercado.

Baseado nas perspectivas que começaram a vir à tona no final de 2017 o setor se preparou para aumentar a produção entre 2% e 3%. Mas teve que retroceder. Como fechou o semestre com um volume quase 2% menor que o de um ano antes, deixou de produzir no semestre mais de 300 mil toneladas de carne de frango.

Infelizmente, não foi o suficiente. Pois o forte refluxo das exportações neutralizou todas as possibilidades de readequação também em nível interno. Resultado: a disponibilidade interna do semestre superou o que foi ofertado não só no primeiro semestre de 2017, mas também no seguinte, o segundo de 2017.

O processo fica ainda mais sério quando analisado sob o aspecto da disponibilidade per capita. Pois enquanto a população brasileira evolui a uma taxa mensal que não chega a 0,07% (atualmente, pouco mais de meio por cento ao ano), a oferta chega a registrar aumentos superiores a 8% – como ocorreu em abril e voltou a se repetir em junho último. Os gráficos abaixo deixam mais claro como essas variações se refletem no dia a dia do setor.

Fonte/crédito: Avisite