Infocafé 02/08

A bolsa de N.Y finalizou a quinta-feira em baixa, a posição setembro atingiu a mínima de -2,05 pontos fechando com -1,35 pts.

O dólar comercial fechou praticamente estável, com leve baixa de 0,06%, cotado a R$ 3,7570. Apesar do movimento de queda, investidores estavam preocupados com o avanço da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Na véspera, o governo norteamericano propôs tarifas de 25% sobre US$ 200 bilhões em bens chineses. A China pediu que os EUA voltassem à razão e já avisou que “chantagem” não vai funcionar com eles. No Brasil, as atenções seguiam voltadas para o cenário político. O PSB e o PT firmaram um acordo para se manterem neutros no primeiro turno das eleições presidenciais de outubro, o que evita uma aliança com Ciro Gomes (PDT), considerado pelo mercado como um candidato menos preocupado com as contas públicas.

A exportação mundial de café aumentou 2,6% em junho, para 10,45 milhões de sacas de 60 kg, em comparação com 10,19 milhões de sacas no mesmo mês de 2017. As informações fazem parte de levantamento mensal da Organização Internacional do café (OIC), divulgadas hoje. Do total embarcado em junho, houve queda de 0,4% na exportação global de arábica, de 6,54 milhões de sacas para 6,51 milhões de sacas. O volume de robusta exportado subiu 7,9% entre os dois períodos, de 3,66 milhões de sacas em junho de 2017 para 3,95 milhões de sacas em junho deste ano. Já a exportação nos primeiros nove meses do ano agrícola 2017/18 (outubro a junho) apresentou elevação de 0,3%, de 90,55 milhões em 2016/17 para 90,86 milhões. A exportação de arábica teve redução de 1,5%, de 57,91 milhões de sacas para 57,06 milhões de sacas. A exportação de robusta subiu 3,6% no período, de 32,64 milhões de sacas para 33,80 milhões de sacas. Nos últimos 12 meses encerrados em junho, a exportação de arábica totalizou 75,08 milhões de sacas, em comparação com 75,46 milhões de sacas no mesmo período anterior. O embarque de robusta no período saiu de 44,05 milhões de sacas para 44,55 milhões de sacas. Fonte: Broadcast Agro.

Estão abertas as inscrições para o principal concurso de qualidade de cafés especiais do mundo. Os produtores de grãos por via úmida, que são os cerejas descascados e ou despolpados/desmucilados, podem enviar suas amostras ao Cup of Excellence Brazil 2018 – Categoria Pulped Naturals até o dia 4 de setembro. Já os produtores de cafés naturais devem encaminhar seus lotes para o Cup of Excellence Brazil 2018 – Categoria Naturals até o dia 11 do mesmo mês. A competição é desenvolvida em parceria por Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e Alliance for Coffee Excellence (ACE).   Em 2017, foram registrados recordes expressivos nos concursos, que integram a grade de atividades do projeto setorial “Brazil. The Coffee Nation”. A competição destinada aos cafés produzidos por via úmida teve o maior lance por saca da história, equivalente a R$ 55.457,60 por cada volume de 60 kg, e o maior preço médio da categoria Pulped Naturals, que correspondeu a R$ 5.431,09 por saca. O certame dos grãos produzidos por via seca registrou o maior valor pago por um café natural no mundo, de R$ 39.213,40 por saca, além do valor mais alto pago em reais na história do Cup of Excellence – Categoria Naturals: R$ 5.025,58 por saca. A edição deste ano traz novidades. As inscrições são limitadas a uma por propriedade em cada categoria. Os produtores que possuem mais de uma fazenda, sítio ou chácara podem inscrever um lote por categoria de cada propriedade. O ano de 2018 também apresenta alterações em relação à qualidade. A partir de agora, o teor máximo de umidade dos cafés inscritos deverá se situar entre 11% e 12%, com as amostras que não atenderem a esse quesito sendo automaticamente desclassificadas. Em 2018, a fase internacional do Cup of Excellence Brazil 2018 será realizada entre 15 e 21 de outubro no Assoxupé Club, em Guaxupé, Sul de Minas Gerais, e terá a cooperativa Cooxupé e a empresa SMC Specialty Coffees como instituições anfitriãs. A auditoria da competição fica a cargo da Agricert Brasil e a empresa FALCAFÉ será a responsável pelo envio dos lotes campeões aos compradores internacionais. O concurso conta com duas modalidades de vencedores, a Cup of Excellence Winners e a National Winners, que serão conhecidos em 21 de outubro. Os cafés naturais e cerejas descascados que forem avaliados, na fase internacional, com notas entre 84 e 85,99 pontos serão eleitos “National Winners” e receberão remuneração condizente com a qualidade que possuem no leilão da modalidade. Já os “Cup of Excellence Winners” serão os cafés campeões do concurso, que terão notas iguais ou superiores a 86 pontos e serão ofertados no pregão dos vencedores.

Fonte: Mellão Martini

Crédito: Domínio Público/Pixabay