InfoCafé: Cotações

Pequenas torrefações preparam grãos especiais de café
Infocafé de 11-06-2024
MERCADO INTERNO
BOLSAS N.Y. E B.M.F.
Sul de Minas R$1.360,00
R$1.300,00
 
Contrato N.Y.
Fechamento
Variação
Mogiano R$1.360,00
R$1.300,00
Setembro/2024 221,45 -0,55
Alta Paulista/Paranaense R$1.340,00
R$1.290,00
Dezembro/2024 220,40 -0,50
Cerrado R$1.360,00
R$1.310,00
Março/2025 219,30 -0,45
Bahiano R$1.340,00
R$1.300,00
 
* Cafés de aspecto bom, com catação de 10% a 20%.
Contrato BMF
Fechamento
Variação
FUT 2025 6/7 15% cat Set
R$1.280,00
R$1.260,00
Setembro/2024  270,00  -4,00
FUT 2026 6/7 15% cat Set
R$1.250,00
R$1.240,00
Dezembro/2024  268,25  -1,75
Dólar Comercial: R$ 5,3605      

A Bolsa de N.Y. fechou em baixa nesta terça-feira (11). A posição setembro atingiu a máxima de +3,50 pts e a mínima de -2,15 pts, fechando em -0,55 pontos.

Ao final da sessão, o dólar avançou 0,07%, cotado a R$ 5,3605. A semana começou, mais uma vez, com juros e inflação no foco. O principal destaque ficou com o IPCA de maio, divulgado nesta manhã pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice registrou um avanço de 0,46% em maio, marcando uma aceleração dos preços após a alta de 0,38% vista em abril. O resultado ainda veio acima do esperado pelos analistas, que projetavam uma variação positiva de 0,42% no mês. Com isso, as atenções voltam a mirar o atual cenário de juros no país. Na véspera, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que a possibilidade de o mercado de trabalho ainda apertado no país afetar a inflação de serviços continua como uma preocupação da instituição.

De acordo com os dados do relatório estatístico mensal do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), o país remeteu 4,397 milhões de sacas de 60 kg do produto ao exterior em maio de 2024, recorde para o mês, obtendo a maior receita cambial já registrada em qualquer mês da história, de US$ 1,017 bilhão. O desempenho representa substancial crescimento de 79,6% em volume e de 85,9% na geração de divisas na comparação com o mesmo mês do ano passado. “Com essa performance, o Brasil chega a 43,707 milhões de sacas remetidas ao exterior nos 11 meses do ano safra 2023/24 e caminha para a quebra do recorde das exportações neste ciclo, uma vez que os embarques atuais se encontram 2 milhões de sacas abaixo do maior volume histórico até então, obtido na temporada 2020/21, quando o país comercializou 45,7 milhões de sacas. Esse novo volume máximo é bem plausível de ser alcançado, já que, desde outubro do ano passado, temos embarcado uma média superior a 4 milhões de sacas ao mês”, projeta o presidente do Cecafé, Márcio Ferreira. 

Fonte: Mellão Martini