“Agropecuária não pode retroceder”, diz José Mário

Categoria Geral - 17 de março de 2015

No município de Posse, a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) realizou na última sexta-feira (13/03) mais uma edição dos Encontros Regionais de Pecuária de Corte, que desde o último dia 10 já apresentou as perspectivas para o setor de produção de carne em quatro municípios. Durante o evento, que reuniu cerca de 150 produtores, estudantes e técnicos do setor, o presidente da Faeg, José Mário Schreiner, defendeu: “O setor agropecuário não pode retroceder, pelo bem do Brasil”.

José Mário destacou que é atividade do produtor de carne que tem dado estabilidade para a balança comercial. “É a pecuária de corte que tem segurado o equilíbrio das exportações brasileiras diante de tantas incertezas econômicas destes primeiros meses do ano”, avaliou. Por isso, para o presidente da Faeg, as atividades da pecuária e dos demais setores rurais não podem sofrer empecilhos ou retrocesso. “Economicamente, o Brasil precisa de ajustes, mas não podemos de modo algum admitir prejuízos ao setor”, afirmou.

O presidente da Federação lembrou que o aumento da produtividade da carne brasileira garante maior produção em um mesmo espaço físico, com sustentabilidade, comparado há décadas atrás e que isso é prova do alto nível de competitividade do setor. “Há 40 anos, um boi era abatido aos quatro ou cinco anos. Hoje, a partir dos 15 meses até, no máximo, seus 24 meses o animal já está pronto para o abate. Isso significa que a pecuária avança em tecnologia e em produtividade fazendo uso do mesmo espaço e dos mesmos recursos naturais de anos atrás”, explicou José Mário Schreiner.

Mercado
Os Encontros Regionais de Pecuária de Corte oferecem ao produtor informações técnicas e de mercado. Por meio da palestra “Cenário Econômico e Perspectivas para a Pecuária de Corte”, o consultor Rodrigo Albuquerque falou sobre os desafios para o produtor e sobre o que esperar da pecuária de corte em 2015. Em Posse, Rodrigo Albuquerque deixou o alerta: “Você não pode controlar o preço da carne, mas a produção da arroba do boi, sim”.

Para o palestrante, um dos maiores desafios para o produtor neste momento é aumentar a produtividade e isso envolve melhor aproveitamento da carcaça do animal e, principalmente, investimento em capacitação profissional e aperfeiçoamento das relações de troca na cadeia produtiva. Uma melhor gestão da propriedade e a sucessão familiar também são desafios a serem enfrentados pelo produtor.

Fora da porteira, Rodrigo Albuquerque destacou que os maiores desafios são a articulação econômica e política do setor, além do equilíbrio de preços ao longo da cadeia. “Quanto mais perto a carne está do consumidor final, menores são as margens de lucro”, afirmou.

Cadeia produtiva
Sócio proprietário do Frigorífico Ouro Verde, uma das entidades patrocinadoras do evento, Orlando Cardoso destacou que a parceria com a indústria em evento voltado para o produtor é fundamental para estreitar laços em busca do equilíbrio da cadeia. “Muitas vezes o produtor sabe produzir muito bem, mas peca na comercialização. Nesse momento de incertezas, é fundamental que o produtor se aproxime mais dos frigoríficos, justamente para construirmos novas parcerias”, defendeu.

Bruno Pereira, produtor de carne, considerou que o Encontro de Pecuária de Corte foi fundamental para levar conhecimento técnico e de mercado a produtores que não tem acesso a informações nos grandes centros. “É a primeira vez que vejo um evento desse porte no interior. Acredito que, dentro do que foi colocado, existe alguma esperança quanto ao mercado, mas nosso cenário político está bastante tenebroso”, avaliou o produtor.

Na semana passada, além de Posse, os municípios de Nova Crixás, Porangatu e Cidade de Goiás sediaram os Encontros Regionais de Pecuária de Corte. Esta semana, o evento será realizado ainda nas cidades de Caiapônia, Mineiros, Itarumã e Ipameri.Parceria
O Encontro Regional de Pecuária de Corte foi realizado pela Faeg em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) em Goiás e com o Sindicato Rural de Posse. “O evento é uma iniciativa muito boa da Faeg e essa união entre o sindicato e a Federação valoriza o pecuarista e o agricultor, já que produtores de grãos também participaram do evento. Isso é muito importante porque está valorizando aquele que dá a renda para o nosso município e para nossa região”, afirmou Alzira Azevedo, diretora comercial do Sindicato Rural de Posse.

Por: Gilmara Roberto


Outras Notícias