Expopec 2018 espera movimentar mais de R$ 50 milhões em negócios

Agricultura - 7 de Março de 2018

Com o intuito de discutir tecnicamente a pecuária de corte de Goiás,

exposição será realizada de 22 a 25 de março, em Porangatu

 

“Esperamos que o volume de negócios da Expopec 2018 possa movimentar mais de R$ 50 milhões, resultado superior a edição do ano passado que registrou R$ 30 milhões em comercialização”, afirma o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), José Mário Schreiner. Ele lançou, oficialmente, na manhã desta terça-feira (6), a Exposição das tecnologias voltadas ao desenvolvimento da pecuária (Expopec), evento que será realizado de 22 a 25 de março, em Porangatu.

O objetivo é divulgar as tecnologias voltadas ao aprimoramento da produção da carne bovina, ovina, suína e de aves no Centro-Oeste. O evento trará em sua programação palestras, demonstrações e oficinas, feiras de touros, espaço para negócios, exposição de animais, shopping de cavalos, visitas técnicas, vitrines da carne, leilão, cursos e treinamentos, demonstrações e outras atividades. A expectativa é de receber mais de 20 mil pessoas ao longo da exposição.

Segundo José Mário, a escolha de Porangatu, no Norte do Estado, para sediar o evento se deve ao fato do município manter uma pecuária forte, com produção de bezerros de qualidade, agregando produtores de outras regiões. Ele destaca que a feira representa grande parte do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado. Atualmente, o setor pecuário representa 37,16% do Valor Bruto da Produção (VBP), cerca de 28% do total em Goiás. “Discussões como essas, técnica e científica, têm um valor agregado muito grande, porque permite levar novas tecnologias, colocando à disposição tudo aquilo que a ciência e a pesquisa desenvolvem a favor da pecuária de corte, da suinocultura, da ovinocaprinocultura e da avicultura. Além disso, a ciência e a pesquisa são os grandes responsáveis pelos avanços do setor pecuário e do agro brasileiro – que têm sustentado a economia brasileira”, destaca.

Participaram do lançamento representantes de instituições e entidades como Sindicato Rural de Porangatu, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Goiás), Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Goiás), Fundo para o Desenvolvimento da Agropecuária do Estado de Goiás (Fundepec), Associação Goiana de Suinocultura (AGS), Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (Abcz), Associação Goiana dos Criadores de Zebu (Agcz),  Associação Goiana de Pecuária e Agricultura do Estado de Goiás (Sgpa), Federação do Comércio do Estado de Goiás (Fecomércio), Secretaria da Agricultura, Banco do Brasil, Caixa Econômica, além de demais parceiros do evento e imprensa.

Capital do bezerro de qualidade

O presidente do Sindicado Rural (SR) de Porangatu, Carlos Garcia, ressalta a responsabilidade e a missão da Expopec, que se propõe a trazer o que a pecuária tem de melhor ao produtor rural. Ele reforça a importância que Porangatu tem dentro da pecuária de corte no Estado. “Nosso município é conhecido como a capital goiana do bezerro de qualidade. O coração sertanejo do Brasil, por isso, sinto-me honrado em sediar a terceira edição da Expopec, evento nacional, em prol da pecuária”, afirma.

O diretor técnico do Sebrae Goiás, Wanderson Portugal, agradeceu a oportunidade de participar de eventos como a Expopec. “O evento nos permite adquirir mais conhecimento em torno da pecuária. Com toda certeza, permite que o produtor se torne mais competitivo em seus negócios e com isso melhore sua produtividade”, sinaliza.

Importância do setor

O evento vai ocorrer na cidade de Porangatu, conhecida como a capital goiana do bezerro de qualidade. O município tem acesso privilegiado pelo encontro de dois importantes eixos rodoviários: o eixo de integração nacional Norte-Sul (BR-153) e a rodovia Leste-Oeste (GO-244) entre o Vale do Araguaia e o extremo leste do estado, Região de Campos Belos de Goiás.

Já a macroregião central (Goiás e Tocantins) concentra um significativo rebanho de bovinos, suínos, ovinos e aves. Os membros destas cadeias produtivas da carne demandam novos conhecimentos, atualizações tecnológicas e profissionais para atender suas necessidades. Os estados de Goiás e do Tocantins possuem juntos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), quase 31 milhões de cabeças de gado. O estado de Goiás ocupa hoje a 3ª posição no ranking de maior rebanho bovino do Brasil com mais de 22,8 milhões de cabeças de gado. Já o estado do Tocantins conta com quase 8,6 milhões de cabeças de gado, ocupando a 11ª posição. Com relação ao rebanho suíno, Goiás é o 6º maior produtor com um plantel de aproximadamente 2 milhões de animais. O estado conta ainda com um rebanho aproximado de 140.000 ovinos (IBGE). Já na parte de aves, Goiás conta com um rebanho de aproximadamente 69 milhões de cabeças.

Alguns temas em debate em 2018

Diagnóstico e perspectivas do negócio pecuário

A carne bovina que o consumidor quer

Novas relações entre pecuaristas e indústria

Estratégias de manejo de pastagens

Diversificando a produção pecuária, otimização de recursos e renda

Engorda a pasto, competitividade insuperável

“Toilet” – os limites da limpeza da carcaça bovina

Resultados econômicos da seleção genética

Texto: Nayara Pereira

Fotos: Larissa Melo

Outras Notícias