Exportações de carne bovina cresceram 21% em fevereiro

Pecuária - 8 de Março de 2018

Em fevereiro, as exportações totais de carne bovina (in natura e processada) cresceram 21%
em volume em relação ao mesmo mês do ano passado, passando de 99.569 toneladas para
120.654 toneladas. Em receita, o crescimento foi de 22%, de US$ 394,5 milhões para US$
482,4 milhões.

No acumulado do ano, o crescimento é de 18% em volume e de 23% na receita,
com um total de 244.364 toneladas exportadas e receita de US$ 1 bilhão. Estes resultados
foram obtidos mesmo com a ausência da Rússia que, em dezembro do ano passado, embargou
o produto brasileiro e foi um dos principais clientes do país em 2017.

As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO), que compilou os
dados finais de movimentação de fevereiro divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento,
Indústria e Comércio Exterior (MDIC), através da SECEX/DECEX.

Para a entidade, estes
números são um bom prognóstico para o comportamento do setor exportador de carne
bovina em 2018, quando se espera um crescimento na movimentação e na receita ao redor
10%, com a volta de clientes tradicionais como os russos e abertura de novos mercados na
Ásia.

Esta evolução continua sendo ditada pelas compras chinesas: uma das portas de entrada do
produto brasileiro naquele país, a cidade estado de Hong Kong, elevou suas importações em
fevereiro em 72% e o continente em 31%. No total, foram 117.006 toneladas exportadas para
aquele mercado que responde por quase 40% das exportações brasileiras. O Egito voltou com
força a comprar do Brasil e adquiriu 28.327 toneladas, contra 10.573 toneladas em fevereiro
de 2017, crescimento de 167,9%.

Outro aumento importante foi observado nas importações
dos países da União Europeia: Alemanha (+ 92,5%); Países Baixos (+35%); Itália (+29%);
Espanha (+75%) e Reino Unido (+11%). O Chile também incrementou suas importações em
68%.

Os estados que mais movimentaram a carne bovina in natura e processada foram São Paulo
(25%); Mato Grosso (18%); Goiás (14%); Mato Grosso do Sul (10%) e Rondônia (9,6%). No total,
66 países aumentaram suas importações enquanto que outros 50 reduziram. A queda mais
significativa foi a da Rússia que, em 2017, adquiriu 22.830 toneladas no mês de fevereiro e em
2018 quase zerou sua movimentação.

Fonte: Abrafrigo/Secex

Outras Notícias