Exportações de soja e milho para a China seguem tendência de alta

Agricultura - 14 de maio de 2019

Apesar do surto de Peste Suína Africana (PSA), as exportações de soja do Brasil para a China não devem ser afetadas e a importação de carnes brasileiras por parte do país asiático irão crescer. A informação é do presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), Bartolomeu Braz Pereira, que participou nesta terça-feira (14/5), em Xangai, de encontro com dirigentes do grupo do Rabobank, empresários e analistas do mercado.

A agenda faz parte da missão liderada pela ministra da Agricultura Tereza Cristina com representantes de entidades do setor agropecuário e empresários brasileiros para estreitar as relações comerciais entre Brasil e China.

“A queda de consumo de soja na China para alimentação animal deverá ser compensada com a produção de carnes de frango e suína no Brasil a serem exportadas para os chineses. A soja e o milho ganham com isso”, avaliou o presidente da Aprosoja Brasil após o encontro.

Segundo projeções do banco, a soja brasileira deve ser pouco afetada, principalmente, porque o consumo de oleaginosa deve crescer em 2020 e se estabilizar, além do fato de a guerra comercial com os Estados Unidos permanecer, o que favorece a soja brasileira.

De acordo com o Rabobank, o problema sanitário ocorrido na China será compensado pelo consumo de frango e carne bovina. Num primeiro momento, a carne mais beneficiada com a peste suína é a de frango, que teve o preço e o consumo elevados a níveis recordes.

Além do presidente da Aprosoja Brasil, integram a comitiva da ministra Tereza Cristina o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado federal Alceu Moreira (RS) e deputados membros da FPA, representantes da Associação Brasileira das Indústrias Exportadores de Carne (Abiec), além do diretor administrativo da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja MT), Lucas Beber, do diretor executivo da Aprosoja Brasil, Fabrício Rosa, e empresários brasileiros.

A comitiva também participou do SIAL 2019, a maior mostra de inovação em alimentos da Ásia, e estreitou contatos entre empresários brasileiros e chineses visando a ampliação do comércio entre os o Brasil e o mercado asiático.

Investimentos em logística

Segundo informações do Ministério da Agricultura, a ministra Tereza Cristina e sua comitiva se encontraram com investidores chineses, que prometeram aumentar os investimentos no Brasil. O encontro ocorreu nesta segunda-feira (13/5), em Xangai.

Tereza Cristina apresentou dados do setor agropecuário e áreas com potencial de crescimento para um grupo de 40 investidores chineses com projetos no Brasil. O encontro foi organizado pelo Banco do Brasil em parceria com o consulado brasileiro. Os investidores informaram que pretendem aumentar o montante aplicado no Brasil, em setores de sementes, suinocultura, infraestrutura e ferrovias.

Os chineses demonstraram interesse em obras ferroviárias, como a Ferrogrão – corredor ferroviário para escoamento de grãos da Região Centro-Oeste, que será construído entre Sinop (MT) e Itaituba (PA), onde fica o Porto de Miritituba. O projeto é orçado em US$ 3,37 bilhões e o edital deve ser lançado no quarto trimestre de 2019.

Outra obra citada foi a Fiol (ferrovia que ligará Ilheús (BA) a Figueirópolis (TO), para escoar minério de ferro da região de Caetité e grãos) e a Norte-Sul (principal via para o escoamento de grãos pelo Arco Norte com investimentos estimados em US$ 680 milhões).

Fonte: Aprosoja Brasil


Outras Notícias