JBS fecha unidade no interior de SP e demite 500 funcionários

Categoria Geral - 20 de julho de 2016

A JBS, empresa líder mundial em processamento de carne bovina, ovina e de aves, encerrou as atividades de sua unidade em Presidente Epitácio (SP) e desligou 500 funcionários. No total, a JBS tinha 795 empregados na fábrica, onde era realizado o processo de desossa de carne. Parte dos funcionários será transferida para outras plantas.

“A companhia realizou todos os esforços possíveis para manter o funcionamento da planta, adiando o fechamento por um mês, enquanto aguardava a definição de um posicionamento do governo do estado de São Paulo sobre as novas regras tributárias, mas não obteve retorno até o momento”, informou a empresa em nota.

Segundo a JBS, a decisão do governo do Estado de publicar o Decreto 61.907, de 2016, que alterou regras tributárias para produtores de carne, “inviabilizou a manutenção das atividades no local”.

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo disse que está dialogando com os produtores de carne e que o setor já conta com um regime especial de tributação que visa a diminuir os efeitos maléficos da guerra fiscal entre os estados, e busca dar condições para viabilizar a operação das empresas.

Interdição parcial – No Rio Grande do Sul, a JBS informou que a unidade do frigorífico Seara Alimentos em Frederico Westphalen foi parcialmente interditada na última sexta-feira, após fiscalização do Ministério do Trabalho e Ministério Público do Trabalho (MPT).

De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, o Ministério Público constatou risco grave e iminente de acidentes e doenças ocupacionais aos trabalhadores. “A companhia confirma que foi decretada a interdição de algumas máquinas, setores e serviços”, informou a JBS em documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A JBS informa, ainda, que já trabalha para “desinterdição dos referidos itens o quanto antes, mediante os ajustes que se fizerem necessários”.

No documento, a companhia também diz não ter conhecimento sobre a instauração de inquérito policial por parte do Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina contra diretores e gerentes da unidade no município de São José, que supostamente teriam submetido empregados a jornadas superiores a dezesseis horas diárias. “Neste contexto, a companhia se reserva o direito de ter prévio conhecimento de eventual inquérito policial contra funcionários para, nos termos da regulação em vigor, prestar informações”, comunicou.

A JBS ressaltou, ainda, que mantém aberto o diálogo com o MPT e o Ministério do Trabalho.

Fonte: Agência Brasil

Outras Notícias