O Chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da divisão Crop Science da Bayer, Adrian Percy, enumerou cinco tendências que acredita que farão parte da indústria agrícola já neste ano. A primeira tendência mencionada por Percy é a contínua digitalização. “As pessoas ficam excitadas com os carros sem motoristas, mas essa tecnologia será ainda mais usada na agricultura. Tratores autônomos, drones e robôs guiados pelo telefone do produtor ou trable vão permitir uma agricultura 24 horas por dia, sete dias por semana. E a integração da inteligência artificial, imagem satelital e um software com previsões ajudarão aos agricultores tomarem decisões em tempo real, poupando tempo, dinheiro e ainda salvar um cultivo do impacto devastador de pestes ou clima extremo”, disse.

Agricultura - 5 de Fevereiro de 2018

O Chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da divisão Crop Science da Bayer, Adrian Percy, enumerou cinco tendências que acredita que farão parte da indústria agrícola já neste ano. A primeira tendência mencionada por Percy é a contínua digitalização.

“As pessoas ficam excitadas com os carros sem motoristas, mas essa tecnologia será ainda mais usada na agricultura. Tratores autônomos, drones e robôs guiados pelo telefone do produtor ou trable vão permitir uma agricultura 24 horas por dia, sete dias por semana. E a integração da inteligência artificial, imagem satelital e um software com previsões ajudarão aos agricultores tomarem decisões em tempo real, poupando tempo, dinheiro e ainda salvar um cultivo do impacto devastador de pestes ou clima extremo”, disse.

A segunda tendência citada pelo Chefe de Pesquisa da Bayer é uma mudança para dietas mais ricas em proteínas com um consumidor mais velho e um agricultor mais jovem com um desejo de adotar as últimas tecnologias. Percy cita que o mercado global de proteínas deve chegar a US$ 50 bilhões até 2025.

A terceira tendência apontada pela Bayer é um foco em saúde do solo. “Nossa nova parceria com a Gingko Bioworks é só mais um exemplo de quantas formas a Bayer está abordando essa nova fronteira. Essa nova companhia mira melhorar micróbios associados às plantas e vai se focar na fixação e utilização de nitrogênio, que é uma necessidade crucial na maior parte dos cultivos. Se bem sucedido, essa pesquisa poderia reduzir o custo de fertilização, enquanto que baixa as emissões de gases e a deriva para vias fluviais”.

A quarta tendência citada por Adrian Percy é o investimento em melhoramento de cultivos. “Métodos recentes, como o CRISPR, permitirão aos melhoradores silenciar um gene particular para produzir uma característica desejada. O que uma vez levou muitos anos de cruzas aleatórias pode ser feito em uma fração de tempo e custo”, afirmou.

A última tendência citada pelo executivo é a colaboração e transparência. “A inovação é inútil se o público não aceitar o que estamos fazendo. O melhor desinfetante para a desconfiança do público é a transparência e estou feliz de dizer que a Bayer está liderando ao abrir nossa pesquisa de segurança para o escrutínio do público”, anunciou Percy.

Fonte:  AGROLINK –Leonardo Gottems

Imagem créditos: Divulgação

Outras Notícias