Preço do feijão dispara, e medidas do governo devem ter pouco efeito

Categoria Geral - 23 de junho de 2016

a terra da soja, falta feijão. E os motivos são óbvios. Um hectare semeado com feijão rende 997 quilos. No mesmo espaço, colhem­se 3.000 quilos de soja.

A consequência é a alta de preço: o quilo do feijão, que estava de R$ 8 a 12 nos supermercados há duas semanas, já chega a R$ 14 a R$ 18, dependendo do tipo e da qualidade. Em 12 meses, a alta (IPCA­15) do feijão­carioca, o mais consumido do país, com 70% da demanda, é de 58,6%. O produto passou a ser um dos principais fatores de pressão na inflação brasileira.

Para tentar reduzir o preço, o presidente interino, Michel Temer, anunciou nesta quarta (22) que o país irá aumentar a compra de feijão de três países do Mercosul: Argentina, Paraguai e Bolívia.

A medida, no entanto, deve ter pouco efeito, pois o feijão­carioca, tipicamente brasileiro, praticamente não é encontrado para a importação em outros países.

Os custos de produção e os riscos da cultura do feijão são bem mais elevados do que os da soja, produto com mais resistência e maior liquidez no mercado internacional.

O preço da saca de feijão, em R$ 150 em períodos normais, vale mais do que o da soja (R$ 70), mas é um mercado mais incerto do que o da oleaginosa e tem grandes variações durante o ano.

Foi o que ocorreu neste ano. A área destinada ao cultivo do feijão na primeira safra foi 9% menor que a do ano anterior.

A segunda safra –que está sendo colhida– e a terceira também vão apresentar áreas menores.

Acrescente­se uma dose de problemas climáticos à redução de área, a produção total de feijão neste ano deverá ser inferior a 3 milhões de toneladas. Em anos normais, o consumo é de 3,5 milhões de toneladas.

Com a provável ineficácia da importação, o ajuste de mercado vai ser pela queda na demanda, segundo Vlamir Brandalizze, analista da Brandalizze Consulting, de Curitiba. Com escassez de produto, dificuldades de importação e preços elevados, o consumo nacional deste ano deverá cair e reduzir a pressão nos preços.

A resposta do produtor também deverá reduzir a pressão sobre os preços, segundo Brandalizze, uma vez que essa é uma cultura muito rápida e se planta basicamente feijão o ano todo.

ALTERNATIVAS

 O país deverá buscar a leguminosa na China e na Argentina. Os argentinos colherão pelo menos 130 mil toneladas de feijão­preto, e boa parte desse volume já é produzida tendo como meta o mercado brasileiro.

O Brasil poderá buscar também um pouco de feijão­carioca na Bolívia, produzido por brasileiros, mas o volume é muito pequeno em relação à necessidade nacional.

O México, país que também poderia fornecer feijão ao Brasil, passou a ser importador nos últimos anos, devido a problemas climáticos. Os mexicanos buscam feijão nos EUA e na China.

Fonte: Folha de S.Paulo

Outras Notícias