Produção de etanol é impulsionada pela demanda

Categoria Geral - 15 de maio de 2019

A demanda e a remuneração elevadas estão incentivando a produção de etanol, sendo que o ciclo 2019/20 no Centro-Sul deve registrar o segundo menor nível de produção de açúcar desde a safra 1997/1998. Isso porque a média de vendas de etanol hidratado das últimas quatro semanas apontou remuneração 12,5% melhor na comparação com a exportação de açúcar VHP para as usinas do estado de São Paulo, de acordo com informações divulgadas pela consultoria INTL FCStone.

“Segundo cálculos da INTL FCStone, 62,9% da safra 2019/20 de cana-de-açúcar no Centro-Sul deve ser destinada à destilação de etanol, enquanto apenas 37,1% seria direcionada à produção de açúcar – proporção que representa 1,9 ponto percentual a mais do que em 2018/19, mas que é, entretanto, o segundo menor nível desde a safra 1997/98”, reiterou em relatório.

Para o analista de mercado da INTL FCStone, João Paulo Botelho, o cenário é resultado de movimento diverso entre o açúcar e o petróleo “Analisando as primeiras telas desde o começo do ano, verifica-se queda de 5% no açúcar enquanto o petróleo avançou mais de 35%”, comentou o especialista, lembrando que, considerando os contratos contínuos na ICE, houve uma queda de cerca de 7% no primeiro e uma alta equivalente no segundo.

“Nesse contexto de movimento diverso entre as duas commodities, que influencia diretamente o destino da cana, a INTL FCStone projeta produção de etanol de cana-de-açúcar em 29,1 milhões de m³, 3,5% abaixo de 2018/19. Deste total, 19,8 milhões de m³ (-7,0%) se referem a hidratado e 9,4 milhões de m³ a anidro (+5,0%). Com o aumento na produção esperada de etanol em relação à estimativa divulgada em março, a consultoria elevou também a participação do hidratado, uma vez que a maior oferta deve tornar o biocombustível mais competitivo em relação à gasolina C nos postos, limitando a procura por anidro”, completa a consultoria.

Fonte: AGROLINK –Leonardo Gottems


Outras Notícias