PANC: Encontro nacional ocupa espaços urbanos com hortaliças não convencionais

Com um foco maior em agricultura urbana, mas ainda com o propósito de aproximar agricultores e consumidores, a segunda edição do Encontro Nacional de Hortaliças Não Convencionais (HortPANC) está programada para acontecer na cidade de São Paulo, nos dias 30 e 31 de agosto. Dessa vez, além da zona rural, espaços urbanos como praças, lajes e escolas também vão receber oficinas com as hortaliças que fazem parte do grupo de plantas alimentícias não convencionais, mais conhecidas como PANC.

São Paulo recebe a segunda edição do evento – a primeira aconteceu em junho do ano passado em Brasília – em um momento em que a população está cada vez mais interessada em conhecer essas espécies, seja para aprender como plantar ou a melhor forma de consumir. “É preciso saber quais são as partes comestíveis da planta, o ponto ideal de colheita e as formas corretas de conservação para que se aproveite ao máximo a rica composição nutricional dessas espécies”, esclarece a pesquisadora Neide Botrel, da Embrapa Hortaliças, que vai apresentar uma palestra sobre pós-colheita de hortaliças PANC.

Mas o que espécies como azedinha, bertalha, cará-moela, capuchinha, jambu, mangarito, ora-pro-nóbis, taioba, vinagreira entre outras, têm em comum? Além do sabor e do valor nutricional, pontos que interessam para profissionais da gastronomia e para os consumidores em geral, as hortaliças não convencionais são espécies rústicas e bem adaptadas, que exigem poucos insumos e, por isso, podem ser boas opções de cultivo especialmente para agricultores familiares ou agricultores urbanos.

“As hortaliças não convencionais apresentam um grande potencial, tanto do ponto de vista agronômico quanto culinário, apesar de pouco exploradas comercialmente. Elas são espécies que se encaixam muito bem na proposta de quintais produtivos”, avalia o pesquisador Nuno Madeira, que no evento vai explicar o manejo agronômico, além de conduzir um dia de campo sobre PANC em hortas comerciais de Parelheiros, zona sul de São Paulo. Porém, ele faz um alerta para a questão de identificação correta e atenção quanto ao local de coleta com possíveis contaminantes, especialmente em ambiente urbano: “é preciso saber a procedência e preferencialmente fazer o cultivo ou o manejo para garantir um alimento seguro”.

O evento também pretende aproximar profissionais de diferentes setores relacionados às hortaliças não convencionais – produtores, pesquisadores, nutricionistas, médicos, chefs de cozinha – para favorecer a realização de ações que promovam o cultivo e o consumo dessas espécies pela população. Na programação, há mesas-redondas sobre nutrição e promoção da saúde, uso das PANC na culinária e na gastronomia, e sobre a interface dessas espécies com a agricultura urbana.

O evento é realizado pela Embrapa Hortaliças em parceria com o Horto Comunitário da Faculdade de Medicina da USP, o Instituto Kairós, o Centro de Nutrição Funcional e o Movimento Urbano de Agroecologia de São Paulo (MudaSP).

Fonte/crédito: Embrapa Hortaliças Por Paula Rodrigues