Projeto aborda criação de abelhas sem ferrão como oportunidade de geração de renda

Com o objetivo de promover o desenvolvimento sustentável da meliponicultura em comunidades no estado do Amazonas, a Embrapa Amazônia Ocidental está promovendo atividades de transferência de tecnologias no manejo de abelhas nativas para geração de renda para agricultura familiar na região. Dentre essas ações, foi promovido nesta semana o curso “Meliponicultura – Desafios e Perspectivas”, que apresentou informações técnicas para potencializar as possibilidades de geração de renda com a meliponicultura, que é a criação racional de abelhas sem ferrão.

Essas abelhas pertencem ao grupo chamado de meliponíneos e também são conhecidas como abelhas indígenas ou abelhas nativas, com grande presença nas regiões tropicais e subtropicais, e maior diversidade de espécies na região amazônica.

O curso “Meliponicultura – Desafios e Perspectivas”  faz parte de um conjunto de atividades de transferência de tecnologias no manejo de abelhas nativas para geração de renda para agricultura familiar, que estão sendo promovidas pela Embrapa, por meio do projeto Agrobio. 

O Agrobio – projeto “Abelhas, variedades crioulas e bioativos agroecológicos: conservação e prospecção da biodiversidade para gerar renda aos agricultores familiares na Amazônia Legal” – tem atuação nos estados do Acre, Amazonas, Roraima e Pará, sob a coordenação do pesquisador Daniel Santiago Pereira, da Embrapa Amazônia Oriental (Belém-PA). 

No Amazonas, as atividades do Agrobio são coordenadas pela pesquisadora da Embrapa Amazônia Ocidental, Cristiane Krug. 

O Agrobio faz parte do conjunto de 19 projetos da Embrapa que formam o Projeto Integrado para a produção e manejo sustentável do bioma Amazônia, financiado com recursos do Fundo Amazônia e operacionalizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Fonte: Embrapa Amazônia Ocidental Por Síglia Souza