20.1 C
Jatai
InícioArtigosReduzir a pegada carbônica representa incremento de lucro na pecuária

Reduzir a pegada carbônica representa incremento de lucro na pecuária

 Carlos J. P. Gomes *

Uma pecuária de corte praticada com adequado nível de intensificação tecnológica[1] deveria dar retorno equivalente ao de uma aplicação financeira de baixo risco. Em patamares da safra 2019/2020, isso significa algo entre R$ 900/ha/ano a R$ 1.300/ha/ano[2]. Entretanto, nem todo mundo sabe que que essa mesma pecuária poderia aumentar o resultado em quase 50%.

A APTA – Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios colocou luz sobre o caminho do lucro, na pecuária de corte, ao criar o conceito do Boi 7.7.7, usando a tecnologia na dieta e no manejo animal como alavanca de lucro. O Inttegra – Instituto de Métricas Agropecuárias, ao mensurar o desempenho dos seus cerca de 500 clientes, mostrou que esse caminho leva em torno de 12% dos seus clientes a resultados de três a quatro vezes melhores do que a média de seus clientes, por exemplo de R$ 800/ha/ano, uma vez que mais de 50% têm uma rentabilidade inferior a R$ 200/ha/ano2. Nesse cenário, a plataforma BovExo mostra ao pecuarista o caminho que deve ser seguido para cada lote e para cada animal, desvendando o segredo de como ter mais lucro mesmo gastando mais.

Mas, esse é o limite do lucro potencial?

Não. Na verdade, essa mesma estratégia de intensificação tecnológica produz uma outra alavanca de lucro. Sob o pasto tradicional, com baixo nível de manutenção (adubação), emite-se cerca de 43 kg CO2eq[3] para cada 1 kg de peso vivo ganho pelo animal. O total emitido por unidade de produto é conhecido como “pegada carbônica”. Esse “CO2eq” é a soma de gases emitidos pela digestão, fermentação das fezes, adubação do pasto etc., que contribuem para o atual problema climático, conhecido como efeito-estufa. Ao adotar uma dieta à base de pasto corretamente adubado e suplementada, que aumenta o ganho de peso e reduz o tempo necessário para atingir o ponto de abate, também reduzimos a emissão de gases para 23 kg CO2eq/kg PV3. De que maneira isso se traduz em incremento de lucro para o pecuarista?

A pecuária não é a única fonte de gases do efeito-estufa. Muitas atividades aumentam o estoque dos gases na atmosfera, enquanto outras reduzem esse estoque. O potencial desastre climático que se acerca levou governos e empresas a firmarem acordos para reduzir a emissão, criando políticas e mecanismos para tal. Um desses mecanismos são as bolsas de créditos-carbono, por meio das quais agentes poluentes podem comprar créditos de quem emite menos (ou até mesmo tem uma emissão negativa), remunerando os menos poluentes por sua eficiência, ao mesmo tempo em que os mais poluentes atingem as suas metas. Com isto, um pecuarista menos poluente pode vender créditos para um pecuarista mais poluente, ou para outros compradores.

No final das contas, quanto isso pode aumentar o resultado da pecuária de corte?

Em valores médios de 2020, nas bolsas dos EUA e União Europeia, o crédito carbono valia US$ 23,00/ton CO2eq (aprox. R$ 0,12/kg CO2eq)[4]. Uma estratégia de engorda delineada com BovExo, levando um bezerro de 220kg a um ponto médio de abate (478 kg PV)[5] economiza, em relação a um boi criado tradicionalmente, 5.931 kg CO2eq[6], gerando uma potencial receita adicional de R$ 642/cab ou, a uma taxa de lotação de 1,4 UA/ha, adicionais R$ 900/ha/ano. O que falta para o pecuarista de corte ter uma lucratividade R$ 1.800/ha/ano?

Pouco. A solução BovExo já mostra para o pecuarista as decisões certas que ele deve tomar para cada lote e animal a fim de ter o lucro adicional resultante do salto de eficiência tecnológica do Boi 7.7.7, saindo dos R$200/ha/ano para os R$ 1.300/ha/ano) e, agora, também da redução de pegada carbônica (saltando de R$ 1.300/ha/ano para R$ 2.560/ha/ano)[7]. Os fundadores e investidores da BovExo trabalham, agora, com investidores institucionais e outros parceiros para criar os mecanismos de medição, auditoria e publicação certificada de resultados que permitam a seus clientes pecuaristas acessar os tais créditos-carbono. As perspectivas são extremamente positivas para quem investe em uma pecuária lucrativa e sustentável.

Ou seja, a pecuária pode decidir por práticas para reduzir a pegada carbônica e ainda ter lucro com isso! Então, vamos tomar a decisão de termos uma pecuária sustentável? Quer entender de forma mais profunda todos os pontos que foram discutidos nesse artigo? Participe do 1º Encontro Nacional da Pecuária de Decisão, que será realizado de maneira híbrida em São Paulo (SP), no dia 03 de setembro, das 9h às 13h, presencialmente na Fazenda Churrascada e com transmissão ao vivo.

Mais do que um evento: uma imersão na pecuária inteligente e de resultados, o 1º ENPD trará conhecimento, visão estratégica de mercado, benchmarking e aprendizados para o pecuarista tomar decisões mais sustentáveis e até 10 vezes mais lucrativas.

Por:  Carlos J. P. Gomes – físico, co-founder CTO da BovExo*

Fonte: Attuale comunicação

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img

Últimas Publicações

ACOMPANHE NAS REDES SOCIAIS