Sistema Plantio Direto de Arroz Irrigado

Dr Jagdish Ladha, cientista sênior de pesquisa em Solos e Agronomia no Instituto Internacional de Pesquisa de Arroz (IRRI) em Nova Délhi, Índia vai participar do 7º Congresso Mundial de Agricultura de Conservação (7th WCCA) e do 25º Congresso da AAPRESID de 1 a 4 de agosto de 2017 no Centro Metropolitano de Convenciones em Rosário, Argentina.

Nessa oportunidade, ele dará duas palestras diferentes focadas em assuntos interessantes. Uma delas sobre o “Papel da adubação nitrogenada na sustentação da matéria orgânica em solos cultivados”. A matéria orgânica do solo (MOS) é essencial para sustentar a produção de alimentos mantendo a produção de serviços ambientais sendo um recurso vital para armazenar Carbono e Nitrogênio. O impacto de longo prazo pela utilização continua de fertilizantes nitrogenados sintéticos na matéria orgânica, entretanto foi questionada recentemente. O Dr. Ladha trabalhou na hipótese que a aplicação a longo prazo de N mineral resulta em uma diminuição na MOS. Baseado em 135 estudos de 114 experimentos de longa duração localizados em 100 locais em todo o mundo, ao longo de escalas de tempo de décadas sob uma série de regimes de manejo de terra e clima, foram usados para quantificar as mudanças no Carbono Orgânico do Solo (COS) e no Nitrogênio Orgânico do Solo (NOS). Os resultados demonstram declínios de 7 a 16% no COS e de 7 a 11% no NOS quando não houve aplicação de N. Em solos que receberam N, a taxa de perda de MOS diminuiu. A relação de resposta à adição de fertilizante nitrogenado no tempo, que se baseia nas mudanças em comparações pareadas, mostrou incrementos médios de 8 e 12% para COS e NOS, respectivamente, logo após a aplicação de fertilizantes nitrogenados sintéticos. A adição de matéria orgânica (isto é, esterco) aumentou a MOS em 37%. Quando os sistemas de cultivo alternaram inundação e secagem, MOS diminuiu mais do que quando estiveram permanentemente secos ou inundados.

Solos com Arroz (Oryza sativa L.) irrigado por inundação apresentaram acumulação líquida de COS e NOS. A pesquisa do Dr Ladha mostra um declínio na MOS no longo prazo em todos os locais, com ou sem fertilizantes nitrogenados sintéticos.  Entretanto, seu trabalho também demonstra que adicionalmente ao seu papel no aumento da produtividade da cultura, Fertilizantes nitrogenados sintéticos reduzem a taxa de diminuição da MOS em solos agrícolas por todo o mundo.

A outra conferência do Dr Ladha é “Plantio Direto de Arroz: Desenvolvimentos recentes e necessidades futuras de pesquisa”. O Arroz, principal alimento básico para mais da metade da população mundial, é comumente cultivado por transplante de mudas em solos intensivamente revolvidos (preparo de solo em úmido = poodling) na Ásia. Esse sistema de produção é intensive no uso de trabalho, água e energia, tendo-se tornado menos rentável na medida em que esses recursos vêm tornando-se escassos. Esse sistema também deteriora as propriedades físicas dos solos, afetando negativamente a performance das culturas de sequeiro subsequentes e contribuindo para a emissão de metano. Esses fatores demandam uma mudança imediata do Sistema de arroz transplantado com prepare de solo para uma cultura de arroz com semeadura direta (DSR) em ecossistemas de arroz irrigado. Semeadura direta (especialmente semeadura úmida) é largamente adotada em alguns países asiáticos e vem se disseminando para outros. Contudo, combinando semeadura à seco (Dry-DSR) com plantio direto ou cultivo mínimo (e.g., Agricultura de Conservação) está ganhando força como um sistema capaz de fazer frente à crescente escassez de mão-de-obra e água, e para aumentar a sustentabilidade. Estudos publicados mostram vários benefícios da semeadura direta em comparação com ao arroz transplantado em ´solos úmidos preparados, que incluem (1) rendimentos semelhantes; (2) economias em água de irrigação, mão-de-obra e custos de produção; (3) maiores retornos econômicos líquidos; e (4) uma redução nas emissões de metano. Apesar destes benefícios, os rendimentos têm sido variáveis ​​em algumas regiões, especialmente com semeadura em seco com plantio direto / cultivo mínimo. Apesar destes benefícios, os rendimentos têm sido variáveis ​​em algumas regiões, especialmente com semeadura em seco sob plantio direto ou cultivo mínimo, devido a (1) stand pobre e irregular, (2) controle inadequado de ervas daninhas, (3) maior esterilidade de espiguetas (4) problemas na implantação da cultura, e (5) conhecimento inadequado do manejo de água e nutrientes. Além disso, as variedades de arroz atualmente utilizadas para DSR são selecionadas e criadas para arroz transplantado em solo preparado úmido. Os riscos associados com a mudança do Sistema de Arroz transplantado em Úmido para o DSR incluem (1) prioridade de estudo das plantas daninhas de difícil controle, (2) desenvolvimento de resistência a herbicidas em ervas daninhas, (3) evolução do sistema de arroz em convivência com ervas daninhas, (4) aumento de patógenos de solo como nematóides (5) maiores emissões de óxido nitroso – um potente gás com efeito de estufa, e (6) distúrbios nutricionais, especialmente N e micronutrientes.

Os objetivos dessa Conferência são revisar: (1) Os estímulos da mudança do Sistema de Transplante em Úmido para o Sistema Plantio Direto; (2) O rendimento geral dos cultivos, incluindo as eficiências no uso de recursos do Sistema Plantio Direto de Arroz; e (3) Lições dos países em que o SPD foi amplamente adotado. Sobre provas existentes, apresentará tecnologias integradas para o SPD de Arroz em seco (Dry-DSR) de forma a atingir rendimentos ótimos.