Suíno vivo: Indústrias evitam formação de estoques e preços seguem estáveis

A maior parte das praças de comercialização definiu cotações estáveis nesta semana.

A deflagração da operação Carne Fraca, da Polícia Federal, somou a uma situação já complicada que os criadores independentes viviam desde 2015 por conta do alto preço dos insumos, especialmente do milho. Em entrevista ao Diário Catarinense, o produtor catarinense, Daniel Michels, contou que nos anos de 2015 e 2016 acumulou prejuízo de R$ 300 mil devido aos custos dos insumos. Agora, o suinocultor teme pela queda nos preços.

Antes da operação da PF, o quilo do animal vivo em Santa Catarina chegava a R$ 4,10, mas caiu para R$ 3,80 segundo o presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi.

Mas, a expectativa do setor é de que o feriado de Dia das Mães e o pagamento da massa salarial poderá impulsionar o consumo da carne suína, motivando altas nas cotações do animal nas granjas.

Fonte: Notícias Agrícolas