Suplementação adequada, quantidade e qualidade do pasto definem o desempenho na engorda de bovinos a pasto

Herd of Nelore cattle grazing in a pasture

As corretas estratégias de suplementação são, na maioria das vezes, a chave para o sucesso da exploração pecuária. O gerente de produtos para ruminantes da Trouw Nutrition, Emanuel Oliveira, explica que a engorda de bovinos utilizando exclusivamente a forragem disponível pode não ser suficiente para atingir o desempenho desejado, assim é essencial a definição de planos nutricionais específicos para que o rebanho obtenha ganho de peso adequado e, consequentemente os resultados financeiros satisfatórios para esta fase.

“De maneira geral, ter pasto sempre será pré-requisito para obter sucesso em quaisquer programas de suplementação. A qualidade e a disponibilidade do pasto definem a tomada de decisão na escolha da melhor opção de plano nutricional. Na época das águas, por exemplo, como temos melhor qualidade e muito provavelmente maior quantidade de forragem disponível, podemos trabalhar com sistemas de suplementação menos intensivos, aproveitando ao máximo o pasto disponível. O uso de estratégias como o uso de proteico-energético ou o semiconfinamento podem ser alternativas interessantes”, detalha Emanuel Oliveira.

Já no período seco, mesmo com a perda de qualidade do pasto, o especialista da Trouw diz que é essencial haver oferta de massa de forragem. “Resultados positivos com a suplementação serão observados se o volume de pasto for suficiente para garantir o adequado consumo de matéria seca. Caso falte pasto, o tipo de suplementação utilizada pode ser de consumo mais elevado, com o intuito de reduzir a necessidade da forragem para o desempenho adequado, a terminação intensiva a pasto (TIP) é uma ferramenta que ganhou espaço nos últimos anos em razão do excelente desempenho que observamos para o sistema de engorda”.

“A definição e a aplicação da melhor estratégia dependem de diversos fatores, entre eles: categoria animal explorada, objetivo de cada uma delas (mantença ou ganho de peso), época do ano em questão (período de águas ou seco), estrutura disponível (divisão de pastos, bebedouros, área e tipo de cochos), capacidade operacional, econômica e variedade forrageira existente, tendo o conhecimento técnico de como fazer o seu manejo. Além de levar em consideração questões operacionais e de estrutura, é muito importante que se faça a correta avaliação econômica de cada cenário”, recomenda o Oliveira.

Fonte: Thiago Silva – Texto Comunicação Corporativa