Por que ter uma farmácia na fazenda?

30 de julho de 2020

Cuidado, ordem e planejamento no tratamento individualizado dos animais

Qual é a primeira impressão que você tem de alguém que tem em casa uma caixa de primeiros socorros? Certamente, as ideias de cuidado, ordem e planejamento lhe vêm à cabeça.

É exatamente isso que um pecuarista busca em sua propriedade, quando adota, entre outras medidas, uma farmácia na fazenda. “Isso está diretamente relacionado à gestão do seu negócio porque, quanto mais rápida a ação para a resolução de um problema com um animal, maiores as chances de sucesso no tratamento e de retorno”, diz Renata Fernandes, Gerente de Produto da Zoetis.

Seringas, agulhas, mata-bicheira, anti-inflamatório, antitóxico, endectocida e antibióticos são alguns dos itens fundamentais de uma farmácia. A gerente lembra que somente ter medicamentos à mão não é o suficiente. “Armazená-los de forma correta, controlar a validade, utilizá-los de acordo com o protocolo, ter um controle dos animais que foram medicados é a chave para o sucesso. Além disso, para montar uma farmácia eficiente, é preciso que o pecuarista conheça muito bem quais são os problemas mais comuns na sua fazenda, tenha um planejamento do seu programa sanitário e das compras dos medicamentos de uso no dia a dia, bem como uma equipe preparada para praticar as boas práticas de manejo”, acrescenta Renata.

Como empresa líder em saúde animal, a Zoetis tem trabalhado com base em um ciclo completo de cuidados, que envolve áreas como genética, automação, análise de dados, diagnóstico, prevenção e tratamento. “Manter uma farmácia com os produtos essenciais e planejados de forma correta garante que o animal seja tratado desde os primeiros sintomas observados”, ressalta a Gerente.

Outras questões bastante importantes desse olhar mais atento é o cuidado individualizado e o uso responsável de antibióticos. “A saúde e o bem-estar dos animais são prioridade, assim como a garantia da segurança alimentar, esse é grande pilar da produção de proteína animal”, finaliza Renata.

Fonte: Interfuse Communications