Chuvas podem afetar 1,5 milhão de hectares de trigo na Argentina

Agricultura - 3 de janeiro de 2019

No Uruguai, que concluiu a colheita, as chuvas complicaram apenas no final dos trabalhos

Previsões de volumosas chuvas para os próximos dias preocupam o setor tritícola na Argentina, informa a T&F Consultoria Agroeconômica. A Bolsa de Comércio de Rosário estima que 1,5 milhão de hectares de trigo ainda não colhidos poderiam ser afetados: “O fenômeno pode durar vários dias com melhorias temporárias e culminar com a entrada de uma frente fria que encontre ótimas condições para produzir fortes chuvas e tempestades”.

“Sendo uma frente que permanecerá muito estável sobre o centro do país, o mau tempo prolongado gerará uma grande carga de umidade atmosférica. E porque é muito ar quente, é muito provável que as temperaturas máximas excedam 34 ° C. Tudo isso forma uma combinação de condições ótimas para que ao entrar na frente de ar frio, entre sábado e domingo, tempestades intensas com acumulações significativas sejam geradas. A maior precipitação é esperada em Buenos Aires, NE de La Pampa, Sul de Córdoba e Santa Fé e Entre Ríos”, detalhou a BCR.

A Bolsa de Cereais de Buenos Aires informou nesta quinta-feira em seu Panorama Agropecuário que a safra de trigo atingiu 82,1% da área plantada, com uma produção nacional de 19,0 MT e uma produtividade média de 2.960 kg por hectare.

URUGUAI

Ainda de acordo com a T&F, o Uruguai concluiu a colheita de trigo, com chuvas que complicaram no final dos trabalhos: “A colheita do trigo terminou um pouco depois do esperado, com uma área menor que estava pendente devido às chuvas. Ainda não há uma avaliação final do impacto das chuvas, mas é fato que a qualidade caiu, principalmente caindo no ph e houve casos de
brotações. Em alguns casos, com queda no FN”.

“Vários (trigos) saíram como forragem depois da chuva”, disse Alejandro Álvarez, técnico da Unión Rural de Flores. De qualquer forma, o resultado global da colheita do trigo pode ser avaliado como positivo, disse ele. Jorge Beceiro, gerente de Sementes da Copagran, disse ao programa Tiempo de Cambio da Rádio Rural que os rendimentos da Copagran em geral estão acima de 3.600 quilos por hectare, com resultados notáveis. “Eles são bons números, acho que vamos ficar em 3.800 quilos por hectare, o que é uma boa média”, disse ele.

Para Beceiro, em 2019, é possível que ocorra um aumento na área de culturas de inverno, sem mudanças radicais, mas marcando uma tendência crescente: “Há muitas variáveis que fazem a cultura dupla tender a crescer e isso implica que a de inverno cresça”, disse ele.

Antes das chuvas, registraram-se excelentes resultados, tanto em termos de rendimento como de qualidade, com produtividades de cerca de 4.000 quilos por hectare e ph em geral de 79 para cima, e proteína de 11% para cima. Do lado comercial, o preço do cereal não se afrouxa diante da pressão da colheita. A Câmara de Comércio manteve a referência para o trigo pão da nova safra ph78 e 12% de proteína a US $ 198/200 inalterados.

Fonte: Agrolink Por Leonardo Gottems


Outras Notícias